sábado, 13 de junho de 2009

O Carteiro

crônica de Eduardo Trindade
Vocês se lembram do carteiro do Chaves, o Jaiminho?
(Como boa parte das crianças da minha geração, eu cresci assistindo aos seriados do Chaves e do Chapolin...)
Pois então, Jaiminho, o impagável carteiro vindo de Tangamandapio... Eu descobri que ele ainda trabalha nos correios e está entregando cartas aqui na minha rua!
Assim: ontem, dia dos namorados chuvoso, no instante em que eu entrava no prédio chegou o carteiro com uma entrega para mim (sim, era um presente dela!).
E não é que o carteiro era o Jaminho? Continuava com o mesmo bigode grisalho, a mesma barriga, o mesmo jeito atrapalhado... Faltava apenas a bicicleta.
O carteiro me entregou a caixa e precisava que eu assinasse o recebimento. Mas – imaginem vocês! – ele não conseguia encontrar a folha de papel onde eu devia assinar. Remexeu num bolso do casaco, e nada; remexeu no outro bolso, saíram umas tantas cartas soltas, mas nada da tal folha. Pegou então a sua bolsa de carteiro, virou-a de ponta cabeça, sacudindo, fazendo cair todas as cartas! Neste momento, para não perder o clima nostálgico, eu me lembrei dos programas infantis em que a apresentadora revirava um monte de cartas enviadas pelos telespectadores antes de sortear uma. Com a diferença de que eu nunca tinha visto um carteiro fazer isso na minha frente, em pleno serviço!
Pois o Jaiminho continuava ali: revirou aquela pequena montanha, revirou e nada... Até que achou, no meio das cartas, um saco preto, desses de lixo. Virou o saco sobre a montanha de cartas, fazendo cair mais uma porção de envelopes e finalmente tirou do meio daquilo tudo um pedaço de papel amassado, ou seja, a folha onde eu devia assinar o recebimento.
E em seguida, missão cumprida, pôs-se a recolher tudo com a maior naturalidade, enquanto eu e o porteiro do prédio observávamos, incrédulos e divertidos!

imagem: arte digital sobre fotografia daqui

15 comentários:

Mariane disse...

O Jaiminho sempre queria evitar a fadiga, rsrsrsrsrs...

Lilian Dalledone disse...

rsrs
agora já sei porque tanta coisa se perde no caminho...
quantos Jaiminhos será que trabalham no correio?

C. disse...

Nao sei a quem vc se refere, mas cá pra nós que malinha bagunçada a dele hoho

ivandro disse...

Quando encontrar ele de novo diz que eu assisti vários episódios com ele e achava o personagem bem legal.

Äмbзr Gïrℓ ⅞ disse...

nossa, ri muito... demais...

Blog Suicide Virgin

Neotenia disse...

ADOREI o texto... Aconteceu mesmo ou foi só sua imaginação...


ADORARIA ver uma foto do Jaiminho...rs!

Neotenia disse...

Ahhh... Valeu MESMO a nostalgia...

Marta disse...

Notas do quotidiano :)

Não sei quem é o Jaiminho, mas essas observações estão deliciosas ;)

beijo

Marina disse...

Geeente! Nostalgia, sem dúvida. Mas eu teria morrido de rir na hora.

Magna Santos disse...

Eduardo, que legal esta tua crônica. Nesse mundo virtual, onde as cartas andam perdendo lugar para os emails, muito bom poder atentar para um carteiro e seu trabalho...e sua graça.
Beijos.
Magna

Mari disse...

E o poder da imaginação trabalhou agora! rs
Posso imaginar a cena, com todos os, minimos, detalhes.
Adorei!

Dia de luz a ti!

Beijo

Meire disse...

Como será a avaliação para ser carteiro? Será que existe algum critério? rsrs


E ah! Eu não conhecia a poesia 'Ismália'! Li. Tem ligação mesmo..achei bacana...rs mas 'Ismália' é um tanto mais triste.
rs

Andréia Alves Pires disse...

de endereço novo!! eu tb vi muito jaiminho... :) bjo, bjo.

Elisa Lis disse...

ahahaha que ótimo =)

cadeorevisor disse...

Eu ia comentar, mas quero evitar a fadiga.

Abraço,

Pablo
http://cadeorevisor.wordpress.com