segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Uma noite com Paul McCartney

Qual a ultima vez em que fizeste algo pela primeira vez? Eis talvez minha pergunta preferida. Não que se deva evitar a rotina a todo custo, mas muitas vezes é saindo da rotina que se degusta a vida, incluindo a própria rotina.
Pois ontem, primeira e única noite, eu assisti ao espetáculo de Paul McCartney em Porto Alegre.
Muita gente dirá que fui um privilegiado. Exagero de fã? Ora sim, depois desta noite, não tenho duvida de que estar lá foi mesmo um privilégio. Então, deem licença a este paperback writer virtual para contar a sua história...
Comecemos pelos meus antecedentes. Modestos. Não nasci numa família particularmente beatlemaníaca. Lá em casa, ouvia-se Beatles com moderação. Na adolescência, comecei a me interessar mais, seguindo meu estilo (irremediavelmente nostálgico) de ter saudades até do que não vivi. Ouvia as músicas, lia as histórias (curioso que sempre fui), sem exageros. Mesmo assim, quem me conhece há mais tempo já me ouvia dizer que, pouco afeito aos megashows, de todos os artistas possíveis, se havia um que eu gostaria de ver, este artista seria Paul McCartney.
Falava isso como um desejo distante até o dia em que a possibilidade se tornou real com o anúncio da vinda dele para o Brasil, e mais que isso, para Porto Alegre.
Não vou detalhar a expectativa até conseguir os ingressos, nem a espera na fila, nem outras histórias que, sozinhas, já renderiam boas crônicas. Tudo pré-histórias a partir do momento em que Sir Paul subiu ao palco.
Não se trata apenas de uma veneração fanática, mas da personificação de momentos que aquelas músicas simbolizam, daí a força que McCartney tem ainda hoje. Verdade que foi uma noite com direito a todo tipo de fãs exaltados. O que chega a ser curioso. Quem vê as imagens das meninas histéricas na década de 1960 pode não se espantar de que as filhas e netas daquelas meninas sigam tendo a mesma exaltação adolescente... mas pelo mesmo ídolo? Um grupo de gurias atrás de mim dava um espetáculo à parte de beatlemania, cantando, exaltando-se, gritando — Lindo, lindo! Ah, não acredito, não acredito, ele está ali, estamos vendo ele! — Histeria não por um ídolo teen, mas por um senhor de quase 70 anos.
E também o orgulho da terra, presente em qualquer canto do planeta e particularmente exaltado nos arredores do Guaíba. Cheguei à conclusão de que eu não trocaria o palco do Gigante da Beira-Rio sequer por outro em Liverpool. Lá o beatle estaria em casa, mas aqui eu é que estava em casa, éramos os anfitriões. E não vou disfarçar a alegre surpresa de ouvir Paul McCartney falando um português extremamente fluido para um súdito da rainha. Mais do que isso: se já tinha conquistado o publico bem antes de arriscar um "bah, tchê!" e de elogiar a plateia com sucessivos "trilegal", beirou o inacreditável ao cantar junto conosco "Ah, eu sou gaúcho!" (para os de fora, esclareço que se trata da versão local de " Ah, eu tô maluco!", bastante cantada nos estádios porto-alegrenses). Neste ponto, Paul se juntou ao Papa João Paulo II, ainda hoje lembrado por tomar chimarrão e cantar "Ucho, ucho, ucho, o papa e gaúcho". Sim, temos um orgulho um tanto provinciano, porém encantador (modéstia à parte). O que seria do todo se não fosse cada uma das particularidades que lhe dá brilho?
Não achei que fosse chegar ao ponto de verter lágrimas, mas bastaram os primeiros acordes de Hey Jude, música que toquei inúmeras vezes em meu tempo de pianista, para que eu sentisse os olhos úmidos. Sou um grande chorão. Não o único: à minha direita, outro marmanjo estava aos prantos. As meninas atrás de mim... Estas já choravam há muito tempo.
Melhor que tudo, porém, o sorriso das pessoas. Foi uma noite de sorrisos escancarados — de incredulidade, de satisfação, de sonho realizado — porque não havia dúvida de que cada pessoa ali tinha uma história particular envolvendo aquelas canções, e ouvi-las da maneira que ouvimos ontem vai muito além de gostar das músicas, de Paul ou dos Beatles; é como tocar com os dedos em parte do imaginário coletivo e individual, e sentir, de uma maneira quase boba, que aquelas canções ouvidas desde a infância despertam sensações e lembranças, dão vida a momentos que não é preciso explicar a ninguém.
Quando Paul anunciou, em português límpido, que tocaria uma música composta em homenagem a “minha gatinha Linda” e a dedicaria aos casais de namorados presentes... Verdade que, nesta hora, faltou alguém comigo a quem abraçar. Mas enquanto via minha mãe, que me acompanhou até ali com a felicidade estampada no rosto, eu tinha certeza de que aquela noite única valia a pena.
É por toda esta carga emotiva que o espetáculo de ontem foi inesquecível. O mundo pode produzir outros músicos excelentes e outras canções geniais, mas dificilmente algum conseguirá ter tanta ligação com a história particular de tanta gente: não uma ou duas, mas dezenas de músicas marcantes, esta por lembrar um filme, aquela, um beijo, a outra, um verão na praia, outra ainda, os domingos em família... Posso dizer, sem medo do exagero, que foi o show da minha vida. E quem estava lá, depois da noite de ontem, nunca mais ouvirá uma canção dos Beatles da mesma maneira.

Eduardo Trindade

9 comentários:

Sentimentalidades-Todas disse...

Ahhhhh Edu

Eu que também não nasci numa família beatlemaniaca. Quem nem colecionei vinis ou botons. Que só há a uma decada, ou pouco mais, descobri, de fato, a emoção que o quarteto pode mobilizar, não tive como não me emocionar com o teu texto, bem como quando vi Sir McCartney no jornal nacional cantando "all my loving"...

Imaginário coletivo? ufa... tb faço parte!

Bjs
Mônica

Jéssica Mendes disse...

Tô chorando, sério :')

rejane disse...

Ahhh Como posso dizer que sou feliz por ter participado desse momento único e mágico contigo!!!

Armila disse...

Eu não fui ver o Paul,mas lendo o que escreveste,me senti dentro daquele estádio,vendo e escutando Sir Paul.Linda tua crônica,Eduardo.Sensibilidade pura!Abraços!

mario pirata disse...

Edu, parabéns pelo espaço, pela poesia e pela escrita boa e limpa.
Um abraço!

Andrea Dall'Agnol disse...

O show foi perfeito. Tenho medo de nunca mais ver outro tão perfeito quanto. Foi mágico. Obrigada por passar no meu blog. Abs

cduxa disse...

As suas notas são contagiantes.
Quem não gostaria de estar lá?

Marina disse...

Tava vendo a setlist e já sei até quais são os momentos que eu vou chorar. Hahaha!

disse...

sentimento bom esse.