segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Ausência

A escova de dentes
dorme solitária
sobre a pia do banheiro.

Ninguém mais reclama
do tubo premido ao meio.

O espelho se cala.


Poema que recebeu menção honrosa no Concurso Nacional Helena Kolody 2009.

10 comentários:

Mulher Solteira disse...

Menção honrosa!!! Que honra!!!
Parabéns! Que esse reconhecimento público alimente ainda mais o seu desejo de se lançar sempre a voos mais altos, em todas as direções, no céu e no mar!
Beijos da amiga,
Cris.

Roberto Borati disse...

que bonito, gosto das suas valsas.

Mi Müller disse...

Báh mas que lindo!! Merecia mesmo uma menção honrosa!! Parabéns amigo...
estrelinhas coloridas...

Marina disse...

Na ausência até as brigas fazem falta. Lindo poema, Eduardo. Menção merecida.

Beijos!

Andréa Amaral disse...

Parafraseando o título do blog da Camila, que o pegou emprestado de um título de obra de João Gilberto Noll : mínimo, múltiplo, comum. Fez de um limão uma limonada.Parabéns. Amei.

Ariane Rodrigues disse...

Quase combinamos as palavras ontem, ficou a temática, apesar da diferença do tom poético... Este teu é daqueles que deixa um gosto amargo no desfecho. Melancólico. Gosto.

Marydja disse...

Ausências dolorosas...

Parabéns Eduardo!!

Sabia que após ler um poema seu, com certeza leria outros!

Bjs
Mary

Andréa Cavalieri disse...

Essa ausencia é bonita que dói...
Gosto daqui.

J Alexandre Sartorelli disse...

Belos sinais da ausência.
(amar o perdido/deixa confundio/esse coração - Drummond)
[]´s

Juliana disse...

É nessas pequenas coisas que se sente o grande buraco deixado pela ausência...
Muito bonito, toca muito com poucas notas.