sexta-feira, 13 de março de 2009

Tempo de ausências

Ausente de mim o grito que irrompe das pedras.
O grito que rompe as pedras
e convida ao voo. Ausente está.
Medo de voar nesta ausência sufocante.
A amplidão oprime. Falta um caminho
na infinitude de caminhos.
Inaudível. Procuro sons no silêncio.
Um eco que guie. Uma memória que vibre.
O grito. Impossível. Ausente. Onde.
Aonde voar sem o bater das asas,
onde reverberar nesta planície de vazio,
como ouvir o chamado do silêncio.
Cansado de guiar, de gritar. Ausente de mim
o grito. Não o encontro. Não encontro.
Cerro os olhos e busco um ombro.
Uma mão. Tateio o solo e busco passos.
Nunca passaram. Não por aqui. Ausência.
O passado não importa. Não mais.
E o futuro. Voar. Para onde não sei.
O convite é nada. O braço nada. Não sei.
Falta força. De pedra. Das pedras
emana esse mundo cru e denso e intenso
num silêncio imóvel e insípido.
Tudo contém. Mundo esse feito
de todas as possibilidades. E basta.
Basta-se. Basta-me. A voz não falta
a quem sabe escutar. O chamado. O grito.
Irrompe das pedras, imóvel, em silêncio,
o convite eterno e forte e inapelável
do tempo que simplesmente é.
por Eduardo Trindade,
numa sexta-feira 13 de trovões sobre a Cidade Maravilhosa

12 comentários:

Ana disse...

Ah,que saudades de mergulhar nas tuas palavras!
Também é tempo de ausências por aqui!
Tentamos fugir e abraçar o que transborda,mas ele quase sempre encontra-se vago.E em nós,a ausência.

Abraços apertados!
E versos que te completem!
ótimo fim de semana!

Lilian Dalledone disse...

Das ausências sei só que doem, que desconcertam, que desnorteiam... E quando nada mais basta para preencher o vazio, sei que essas pedras que gritam também recebem o choro dolorido de quem nada mais pode...

Tenha um lindo sábado.

Viviane Moreno disse...

Que bellas palabras!
Un regalo al corazón...

Cuidate!

Abrazos

Hortência Caravante disse...

Lindos textos, ornamentados ainda por belas fotos...
Gostei muito do blog e estou acompanhando.Beijos

Hortência Caravante disse...

Olá
Por apreciar o conteúdo e acompanhar esse blog, estou indicando-o para o selo "vale a pena acompanhar". Vale a pena pela divulgação. Para mais informações, visite www.extreeemehate.blogspot.com. E parabéns pelo trabalho! Beijos

Considerações disse...

Obrigada pelo seu comentário!
Normalmente se comenta sobre o último post mas se me permite, me apaixonei por "ASAS", de ter até o coração batendo mais forte! Obrigada por isso!

Está sendo acompanhado viu?!

Abraço.

isolano disse...

Emocionei-me. A ler e a ouvir.

Ritinha disse...

que agradável toda a sua poesia. Parabéns:)
por vezs tamos cansados, podemos não saber por onde ir ou para onde ir. Só temos uma certeza: parados não podemos ficar.

Abraço

Renata (impermeável a) disse...

entendi......
ja senti......
gostei!

Marta disse...

Eduardo: só agora ouvi a tua voz declamando o poema :)

lindo!

não tinha, ainda, dado conta das gravações!!!!!!!

parabéns!

Thalita Castello Branco, disse...

As pedras que gemem do contato com o mar... O mar que oscila subjugado à lua... A lua que existe porque para ela olhamos e imploramos e amamos.

Lindas palavras, Eduardo.

Rouxinol disse...

Voz firme, de cor viva e vibrante.
Voz de presença.