domingo, 25 de janeiro de 2009

Passeio da menina pela cidade


A pequena menina
de olhos redondos
com a boneca nos braços
encara o prédio gigantesco.

A cidade é um mundo.

Os carro passam
zunindo,
abelhas paquidérmicas.

As pessoas se apressam,
a cidade é um formigueiro.

O prédio cruza os braços:
o gigante assusta.

A menina de olhos redondos
fotográficos
registra lembranças
com a curiosidade dos pequenos.

Os olhos da boneca se abrem,
piscam.
De frente para o prédio
gigante de concreto,
a menina de mãos na cintura
mostra a língua.


texto e imagem por Eduardo Trindade

8 comentários:

Juliana disse...

adorei!

o poema foi desenhando sutilmente a cena...
quando eu era mais nova, adorava mostrar a língua, tenho várias fotos assim...hehe

beijo

paulo disse...

... uma fotografia de um momento.

belos escritos!

abraços...

paulo

Ariane Rodrigues disse...

Que boa impressão tive ao ler pela primeira vez um escrito teu! Adoro as antíteses! Percebi ao longo do tempo que elas são uma constante na minha poesia. Mas, acho que é próprio e peculiar aos poetas de hoje em dia, desencontrados em meio às contradições da vida e incoerências sentidas!

Obrigado por visitar o blog! Seja bem vindo! Até mais!

Flávia disse...

Como eu gosto muito das coisas que você escreve resolvi deixar ums elo pra você la no meu blog,ok?Beijoos e espero que goste

Dani Santos disse...

... A imaginar a cena... o encontro desses mundos tao diversos. A grandeza da criança diante da grandeza de concreto do mundo... a leveza frente ao peso...
Como sempre, lindas palavras.
Abraços a ti.

Cotidianos disse...

Que delícia.

Thalita Castello Branco, disse...

Ah, mas que lindo!!!

Anônimo disse...

È belo!.

Jo