terça-feira, 4 de novembro de 2008

Faça sua parte: adote um Trema

Era uma vez, num país não tão distante, um sujeito muito trabalhador. Dedicava-se como ninguém a cumprir sua função, e olha que nem sempre ele era reconhecido por isso.
Seu nome era Trema. Ele vinha de uma grande família de sinais gráficos famosa na Alemanha, na França, na Suécia e em Portugal. De Portugal, ele havia emigrado ainda jovem para o Brasil, junto com outros colegas, como a Crase e o Acento Agudo. Alguns destes colegas tinham apelidos: o Acento Circunflexo, por exemplo, todos chamavam de Chapeuzinho. Mas o Trema sempre se considerou uma pessoa séria, que não podia correr o risco de se vulgarizar, e por isso nunca adotou um apelido.
A tarefa do Trema? Era das mais importantes. Ele era responsável por ensinar aos falantes da língua, especialmente aos leitores de um texto escrito, a pronúncia correta das palavras. Nesta profissão, o Trema acabou encontrando e fazendo ótimos amigos. Durante anos, foi sempre visto de mãos dadas com uma turma de ditongos.
Acontece que havia gente que olhava o Trema com cara feia. No começo, ele não se importava. Nunca fizera mal a quem quer que fosse! Nunca sequer se divertira assustando vestibulandos – alguns de seus colegas, como o Acento Grave, gostavam de fazer isso, mas não ele! Porém, com o tempo e com as repetidas injustiças de que era vítima, aquilo passou a incomodá-lo.
Começou aos poucos, na surdina. Veio na escalada do crime que acometia as grandes cidades do país. Jornais e periódicos passaram a seqüestrar o Trema que havia na palavra seqüestro. Sequestro.
A princípio, ninguém se deu conta. Quando perceberam, ao invés de chamarem a polícia e resgatarem o pobre seqüestrado, usaram o fato como arma: esse Trema é tão inútil que ninguém sente falta dele!
E então veio o movimento. Passeatas. Abaixo-assinados de estudantes de Língua Portuguesa que tinham senhoras gordas e carrancudas como professoras. Pressionaram a Academia. Esta enviou um memorando ao Governo. O Governo se fechou numa reunião séria e debateu, debateu. Criaram um Grupo de Trabalho. Anos e anos de discussão, atividade de lobistas, jogo de interesses. E o Ministério dos Sinais Gráficos veio com a sentença.
– O Trema, meliante de notória atividade subversiva, fica condenado ao exílio perpétuo, devendo deixar este país em primeiro de janeiro. Caso se recuse a cumprir a pena, as Autoridades Literárias têm o aval para utilizar a força buscando o extermínio definitivo do Trema. Outros sinais gráficos que tenham tido contato com o condenado, como o Acento Agudo e o Acento Circunflexo, passam a serem considerados subversivos e fica proibida sua presença em assembléias, vôos, sobrevôos e afins.
Imaginem o desespero do coitado do Trema! Ele, que nunca fizera mal a ninguém! Expulso de um país que ele amava tanto! Proibido de fazer o trabalho que ele tanto amava!
O Trema passou meses deprimido, sem saber o que fazer. Até que, num canal da televisão, viu por acaso a palestra de um especialista em mercado (ou marketing, como dizem em português). Tratava-se de um consultor aparentemente muito famoso, que fez uma longa explanação sobre nichos de mercado, planejamento estratégico, foco no cliente, tempestades cerebrais e, por fim, sobre como se adaptar ao mercado para manter-se nele.
Vocês acreditam que, neste momento, deu-se um estalo na cabeça do Trema, uma lâmpada se acendeu e ele teve uma idéia? Decidiu sair da letargia. Estava salvo! Mas era preciso diversificar. Pensou em distribuir folhetos explicando sua tragédia pessoal e vendendo sua idéia. Em esquinas. Em ônibus. De porta em porta.
Foi assim que eu recebi um destes folhetos. E aderi à campanha.
Tudo o que o Trema quer é um emprego honesto, ajudar na evolução desta Língua Portuguesa que ele tanto ama, vocês sabem? Longe dele querer ser contra a evolução: ele só quer poder contribuir.
Por isso, o Trema está se oferecendo para, a partir do próximo ano, assumir uma vaga de Dois Pontos. E ele conta conosco. Vejam, ele se dispõe a sair da horizontal e passar os dias na vertical. Ele pede a nossa ajuda. Em primeiro de janeiro, adotem um Trema: não deixem de colocar Dois Pontos em seus escritos.
.
Texto por Eduardo Trindade, numa homenagem a Emília no País da Gramática.
Folhetos de cordel fotografados por Eduardo Trindade.
Este artigo foi publicado no jornal
O Globo de 12/11/2008.

17 comentários:

Tata disse...

Oi, Eduardo
Estou retribuindo a visita em meu blog!

Seus textos são ótimos!E parabéns pelo livro publicado!
bjinhos

rejane disse...

Eu digo: Que idéia!!!!!!!!!

Juliana disse...

tá aí, gostei.
viajei no assento confortável das suas palavras e ainda relembrei algumas coisas sobre acentos e gramática...hihi
o trema não foi bobo, soube logo se acomodar e não saiu da linha.
acabei de adotar um: não vou esperar janeiro.

abraço amelístico
;]

Michelle Müller disse...

Báh amigo que texto triiiiiiiii!!
Amei... bom eu não deixarei o trema jamais... imagina pra mim é como perder a identidade :)
estrelinhas coloridas pra ti...

Anitha disse...

Tadinho do Trema ,Edu!Vou adotar todos eles!hahaha
Muito divertido e inteligente esse seu texto, tem uns detalhes tão mínimos mas que fazem toda a diferença...
Gostei de verdade!

As aventuras de Pedro Arthur disse...

Olá, Edu! Li seu texto no Globo Online e adorei!!! Gostaria de poder usá-lo em sala de aula, já que sou professora de Redação. Aguardo o seu retorno e agradeço desde já. Flavia Chapetta

cibele disse...

Genial, Eduardo!!!
Seqüestrei seu texto, vou levar para os meus alunos!
Beijo

mariana disse...

Adorei o texto. Òtima solução para a pobre Trema, no decorrer do texto fui ficando com uma peninha dela....

r. silva disse...

Belo texto. Merece ir pra sala de aula.

Patrícia Aragão - Assessora lingüística disse...

Oi, Eduardo! Parabéns, muito legal o seu texto. Patrícia.

cadeorevisor disse...

Também estou na campanha, Eduardo. Já adotei vários tremas.

Abraço,

Pablo
http://cadeorevisor.wordpress.com

Claudia Cruz disse...

Olá Eduardo,
Gostaria de solicitar autorização para utilizar esse texto. Pode entrar em contato, por favor? Meu e-mail é: iconografia@educacional.com.br.
Obrigada,
Claudia Cruz.

dilsonlira disse...

Esses dois pontinhos vão deixar saudades!

Marcela Morais - Recife/PE disse...

Apenas uma palavra: excelente.

E eis o Dr Trema sendo utilizado na sua nova fase!

Carlos Sant'Ana disse...

Dois comentários...
1. O Trema nos nomes próprios —como Müller— NÃO vai desaparecer.

2. Qual a real necessidade do Trema? É mais uma questão de Conservadorismo Ortográfico que da real evolução de um idioma. Em Portugal, ele desapareceu em 1945 e hoje ninguém sequer coloca em questão a sua necessidade. Se o Brasil tivesse ratificado a revisão ortográfica de 1945 todos vocês tinham sido educados sem o Trema e hoje não estariam a colocar esta questão.

Para mim, toda esta história é no fundo uma palhaçada total. A grafia vai mudar mais em Portugal —2.6%— que no Brasil —1%— e a unificação da escrita é positiva para o superior interesse do Idioma a nível global. A língua evolui e é frequentemente necessário formalizar essas alterações como o que está a ser feito neste Acordo.

Não está em causa a especificidade cultural de cada país. Sem dúvida as diferenças entre a literatura Brasileira, Portuguesa ou dos PALOP se manterá —ainda bem— pois apenas se unificam regras ortográficas como acentos e formação das palavras.


Sou Português nascido em Angola, minha mulher Brasileira. Meu filho tem dupla nacionalidade. Para nós, o acordo vigora aqui em casa faz muitos anos. Deixemos as Demagogias e Conservadorismos de lado.

Morreu o Trema. Vida longa ao Trema...

Helga disse...

Oi,

Você foi mencionado noutro blog (http://flaviamandic.blogspot.com/) e vim aqui conferir: adorei o teu texto!

Quase me inspira a fazer um post a respeito também.

Parabéns. :)

Luciana Patrícia disse...

Sem trema näo! Adoro ele!
Adorei seu texto!