sábado, 2 de junho de 2012

Como Ana resolve palavras-cruzadas



Poema de Brana Petrović
traduzido do sérvio por Eduardo Trindade
Quais são suas intenções
quando todos os outros adormece
e apenas a mim desperta?

Tem Ana algum motivo
para assim tão bela dormir?

Respeito os poetas,
mas ressalvo:
ninguém pode
descrever a aparência
de sua pele escura.

Quando Ana chora
(eu não minto)
é mais bonita
que as frutas!
Que a chuva!
Que… caranguejos grelhados!
Que… o que quiserem!
Que pássaros a galope!
 E não é só uma frase de efeito
para enganar a Europa toda!

E quando se despe!
Livre e amaldiçoado observo
(e não sei como sobrevivo)
o grande milagre da luz!
Eu juro:
se te pudesse aquecer,
Ana, eu queimaria todos os teus ossos!

Quando desenha um barco! Quando semeia cevada!
Quando declara guerra! Quando ri!
Quando alimenta mariscos! Quando se resfria ao relento!
Quando lê uma bússola! Quando compra um novo vestido!
Quando bebe cerveja! Quando aparece do nada!
Quando idolatra líderes sindicais!

Quando é minha mão direita!
Quando é uma inscrição grega!
Quando sonha com flores!
Quando não quer!

A lembrança de uma criança inconcebível
sempre poderá substituir o fogo:
porque as nuvens são verdes para mim, tão verdes!
Tão intensas!

E quando as vozes se combinam!
Ó Deus,
minha cabeça se incendeia!

Eu posso nos lábios dela unir o mar e as flores!
Posso no país dela comandar a chuva!
Posso sob a janela dela imitar o Danúbio
ou alguns vulcões,
posso jurar
por tudo o que tenho,
e não tenho,
que o mundo existe por causa de Ana.

Quais são suas intenções
Quando todos os outros adormece
E apenas a mim desperta?

Tem Ana algum motivo
para ser tão bela quando dorme?

As flores, as serpentes, os ingleses,
todos já sabem:
ela ao beijar
cura todas as doenças!
Mas eu mais mais mais amo
quando ela liga os pontos,
quando resolve palavras-cruzadas.

Ela faz isso como se brincasse!
Parece que cria o mundo!
Qual o mais novo cavalo de Virgílio:
com uma mão segura o mundo,
com a outra o ilumina!
Procura, por exemplo, uma palavra
para beber como água,
para sussurrar,
subir,
voar,
e dormir.
Uma palavra que não é como as outras:
uma palavra para resolver palavras-cruzadas!

Então se produz o pequeno drama:
a água banha o litoral:
Ana, nua,
na palma da minha mão,
ó sonhada eternidade!
(Eu poderia apenas cuidar dela enquanto convalesce
ou dorme.)
Eeentretanto é tttão
perigoooso
ooo embbbalo
as pppppalavras
as palavras ssssse
estão resolvendo!

Quais são suas intenções
Quando todos os outros adormece
E apenas a mim desperta?

Por que enfim não se cobre quando dorme?


Nota:
Este é o primeiro texto de outra pessoa que publico aqui. Por que o publico? Primeiro porque, embora o autor seja o sérvio Brana Petrović (1937-2002), a versão em português é minha e, como bem sabe o meu amigo Arthura tradução de um poema pode ser obra tão grandiosa quando a criação de um poema. Este não é o caso (a versão original é bem mais musical, e é por isso que ela aparece lá em cima), mas ainda assim a divulgação vale a pena. Porque o poema é bonito, porque nós brasileiros (e lusófonos em geral) merecemos conhecer um pouco mais dessa cultura que é a dos Bálcãs e porque não encontrei na Internet versão alguma além da original. Espero que tenham gostado.

4 comentários:

Andréia Alves Pires disse...

É muito bonito! :)

Lara Amaral disse...

Eu adorei!
Gosto muito de encontrar traduções de poemas, ainda mais de autores que eu não conhecia.
Parabéns pelo trabalho!

Beijo.

Evanir disse...

Uma amiga muito especial
hoje marca a postagem do meu blog.
Um ser divino que em pouco tempo conquistou corações nesse mundo virtual.
O meu foi quase um dos primeiros a ficar apaixonado pelo carisma ,
e grandeza de seu coração.
Convido você a deixar seu carinho e fazer parte dessa preciosa amizade.
Espero em Deus ter saúde o suficiente para conhece-la pessoalmete
em 2012.
Vou ficar agradecida com sua doce presença.
Uma linda e abençoada semana.
Beijos ternos e carinhosos.
Evanir.
Fiquei feliz em conhecer seu blog por isso deixei o recado já estou seguindo você.

Cecília SOUSA disse...

Estranho o comentário da Evanir... Ou perdi alguma coisa... Bref.

Muito bom o poema. Derramado. Não posso dizer parabéns pela tradução, uma vez que não conheço o original, mas felicito a iniciativa. Tradutori traditori, mas tem boas intenções.