domingo, 4 de dezembro de 2011

Navio-Fantasma

Nuestro norte es el sur.
Torres García, artista uruguaio
Vaga, vela, remo, onda,
onde?
O sul é nosso norte.
Bússola quebrada,
maresia,
calmaria.

Este suor salgado de mar,
este mar banhado de dor,
este mundo sem história.
¡No pasarán!
O que foi já é passado.

Vaga, meu coração,
remo, vela,
tempestade,
este tempo
fora do tempo.

Pouso forçado, porto fechado,
a volta ao mundo
por não saber aportar.
Onda, vela,
volta ao meu mundo, coração,
a todo pano.
Eduardo Trindade

6 comentários:

Andrea de Godoy Neto disse...

que belo poema, Edu!

quando já não se sabe do tempo, ou do porto ou de qualquer porta...o coração é vela sempre aberta ao vento do longe

abraço pra ti!

Gaby Soncini disse...

Belo poema!

O coração vai e volta, leva e traz, entre esse mar sem fim.

Beijos!

Cla452 disse...

Retribuindo a visita!^^

Ainda passearei pelo seu jardim, sei que brisa trará sublimes odores.

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- o coração sozinho não sabe aportar.

. pamela moreno santiago disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Aline V. disse...

fazia tempo que não passava por aqui, mas tinha certeza que encontraria algo de encher os olhos... lindo poema!