sábado, 29 de outubro de 2011

Travessia

Que o poema seja livre
como uma travessia de veleiro.

Que o travesseiro seja porto,
princípio e meio.

Mergulhemos na cama
como quem viaja.

Mudos ou loquazes:

qualquer suspiro é um mundo
para quem sonha.


Eduardo Trindade

5 comentários:

Alice disse...

qualquer suspiro é um mundo
para quem sonha."

Lindo. Que, também, além do poema, sejamos nós livres.

Um beijo Eduardo!

Francisco Casa Nova disse...

tocante essa liberdade, esse eu-suspiro-livre-de-algozes me faz tão leve o ar que respira lá fora nos abre a cabeça, essa brisa toda que a poesia provoca toca encosta geme...como um suspiro do mar ao pé do ouvido...

mt boa sua simplicidade de escrita. simples e verdadeira, abs!

Fênix27 disse...

Olá!
Simplesmente lindo e maravilhoso este poema, parabéns pelo post e por tudo no seu blog.
Adorei,e já estou seguindo.
Felicidades.
http://wwwavivarcel.blogspot.com/

Gaby Soncini disse...

qualquer suspiro é um mundo
para quem sonha.

Verdade, se torna o mundo.

Que lindo Eduardo, seu poema toca no coração profundamente.

Grande Beijo.

Ana Raquel C. Proença disse...

e que o poeta esteja dentro desse sonho...