terça-feira, 18 de outubro de 2011

Sabiá

Alguém dirá
“Não é de ti que tenho saudades,
mas do mundo que representas.”
Será dito
“Quem dera não mudasses,
eu permaneceria o mesmo.”
Há quem não admita a mudança
e mude sem perceber.
Está escrito
“Quem espera sempre alcança”,
mas podem tudo as palavras,
não as pessoas.
“Esperarei”,
e espera-se demais
ou espera-se de menos.
Na despedida:
“Eu te amarei para sempre.”
Sempre distante de quem se amou,
distante ainda mais de quem se julga amar,
há quem pense sem dizer
e há quem fale sem pensar.
Lá fora, há de cantar
um sabiá.

Eduardo Trindade

5 comentários:

Andrea de Godoy Neto disse...

Edu, ainda bem que o sabiá estará lá...pelo menos ele a nos dizer que o mundo ainda há lá fora, apesar das convulsões internas...

já tava com saudades de ti

beijos

Thalita. disse...

"Meu sabiá, meu violão, e uma cruel desilusão...".

:*

Anônimo disse...

"Não importa onde for. vou te catar. Te vou cantar te vou te vou te vou te vou..."

Elaine Moura

Alice disse...

Será? Será que as palavras podem mesmo tudo?

Muito lindo teu valsar, como sempre. Um beijo

Eduardo Trindade disse...

Talvez seja que as palavras podem tudo, nós é que não podemos com elas...
Muito obrigado pelo carinho. Aos poucos, vou voltando ao blogue.