terça-feira, 24 de agosto de 2010

No teu lado da cama

Há um verso que pula, há um pulso que geme.
Há uma certa tristeza que tanto parece felicidade.
Lembranças que não se sabe para que servem.
Há uma solidão que se esquece de partir
E um silêncio que grita como quem quer ficar.

Em vão te procuro entre os lençóis que abandonaste.




Por motivos diversos estive um pouco ausente da blogosfera, mas aos poucos vou retornando. Neste meio tempo, a Gaby Soncini, do blogue Uma Doce Melodia, presenteou-me com um selo. Muito obrigado pela gentileza, guria!

Eduardo Trindade

5 comentários:

Patrícia disse...

Adorei o retorno!

Dani Santos disse...

E acabei vindo aqui te visitar bem nesse dia de volta... saudades de vir aqui, saudades de estar contigo, mesmo nesses mundos virtuais. Como andas, moço?

Depois da saudade, da ausência, o que vai ficando é cada vez mais o quer de fundo, o que quer de amargo, de vivo, de frágil ou forte, que somos nós mesmos.

Marina disse...

Lembranças sempre servem para alguma coisa, nem que seja só para não se esquecer de que felicidade existe.

Eu bem que estranhei sua ausência. Bom que voltou. Lindos versos.

Beijos!

Aмbзr Ѽ disse...

nossa, lembro-me de quantas vezes vim aqui e preocurei um novo post... seja bem vindo. acho que este pequeno poema está perfeito. muito lindo, muito romântico...

http://terza-rima.blogspot.com/

Ana Raquel disse...

e talvez o que mais dói,não são os ponteiros contando as distâncias,mas as dobras destes lençóis,cada vez mais amarrotados de silêncios sós.

te admiro poeta!