quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Fado

Fado que sorrateiro se insinua
Nos dolentes meneios da viola,
És fado de uma bruma sob a lua
Que no mistério da noite se evola.

Assim se unem corações dispersos
No escuro... É teu fado me encontrar,
Perder-se, diz a bruma e dizem versos
Na ilusão serena de um cantar.

E se é fato que te amo, amedrontado,
É sem bruma, sem mistério, sem nada
Que, na viola, falo além do fado.

E se a lua tange a noite, a cada
Suspiro em teu seio apercebido
Sigo meu fado, teu olhar de fada.



fotografia e soneto por Eduardo Trindade

12 comentários:

Marta disse...

Muito português, esse soneto, Eduardo! Bonito!

E a foto até parece um pedacinho de um trilho de eléctrico que passa aqui ao lado, na bela baixa portuense:) Mas tb podia ser numa viela de Lisboa!

Onde foi tirada?

Eduardo Trindade disse...

Ó Marta, obrigado pelo comentário!
Realmente, esse soneto (forma que não costumo empregar) tem um tanto de português, influência de algumas leituras recentes minhas! Não é à toa que brinco com o fado-música, colocando-o ao lado do fato-destino. (Aliás, não é a música, também, um destino?)
Mas alguns detalhes também evocam o Brasil: dos instrumentos do fado, escolhi a viola, e não a guitarra, porque a viola também se usa deste lado do Atlântico.
E escolhi esta foto porque achei que o lusco-fusco combinava com o clima noturno do poema e os trilhos combinavam, claro, com Portugal. Mas ela foi feita aqui: é em Santa Teresa, um bairro antigo do Rio de Janeiro, o único da cidade que mantém a tradição dos elétricos (já com a nova ortografia) - ou bondes, como chamamos por cá.

Wesley Viana disse...

Que lindo soneto lusitano! Parabéns.

Luísa disse...

Fado...
...é música minha e tua
Fado...
...é destino de quem olha a lua!
Este Fado que enalteces, toca alegria e tristeza, canta ao som da guitarra portuguesa, a mais bela melodia da rua!

Se gostas de fado, aconselho que oiças "Mariza". Tem uma voz única: muito portuguesa, muito de fado!

Bom fim-de-semana e muito obrigada pela nobreza dos seus comentários no olhardeperto.

Victor Canti disse...

belíssimo soneto, tem um tom clássico..
perfeito!!
abraços

Juliana disse...

Que coisa mais bela!
Toda vez que venho aqui me surpreendo com algo ainda melhor...

Abraço
:)

Najla Salih disse...

Belo!
Digamos até que inspirador.
Obrigada pelo comentário!

Sarah Toledo disse...

me senti em qualquer pequeno restaurante, porém muito distinto, a luz baixa e uma cantora de fado a cantar seu soneto. poemas me fazem sentir, não pensar.

abraço.

rejane disse...

Ah... enquanto isso eu vou sonhando.. de olhos abertos... lindo!!!!

Dani Santos disse...

... muda-se a forma, o estilo, a métrica... e as palavras de encantos continuam a trazer mundos...

Lindo lindo, Eduardo, parabéns pela sensibilidade das palavras/olhares, por essa riqueza que te faz.

Abraços e dia lindo a ti.

Meire disse...

te linkei, td bem?

Marcel Angelo disse...

encontro aqui uma verdadeira preciosidade.
amei esse soneto