sábado, 4 de outubro de 2008

Canção de mim e de ti

Como quem caminha sem rumo
Caminho para ti.

A flor do poema se abriu
E, com ela, as cores
E os espinhos do dia.

Como quem amanhece sozinho
Amanheço em ti.

A primeira nuvem do dia
É pequena, branca, fofa
E também nublada.

Como quem sonha acordado
De espada em punho
Sonho para ti.

Quantos dragões ainda
Será preciso vencer?

Como quem ama baixinho
Afasto-me de ti.

A canção que sussurra agora
É flor, poema, nuvem, espada.

Como quem enlouquece devagarzinho
Entrego-me a ti.

versos e fotografia por Eduardo Trindade

2 comentários:

Dani Santos disse...

Lindas palavras, Edu...
"como quem enlouquece devagarzinho..."

O amor é enlouquecedor ... enlouqueceamor...

Thalita Castello Branco, disse...
Este comentário foi removido pelo autor.