domingo, 13 de junho de 2010

Poema do Dia de Santo Antônio


A vendedora de flores,
senhora dos sentimentos alheios,
queria tanto ganhar uma rosa!

Uma prenda anônima, ainda que fosse...


Texto e imagem (rapariga das flores em Ponta Delgada)
por Eduardo Trindade

6 comentários:

Lara Amaral disse...

Bonita a sintonia de imagem e poema.

Abraço.

Alice disse...

mal sabe que ela própria é uma flor. ah moça ...

ei, um beijo.

Moni. disse...

De nada adianta ter um jardim particular. É a flor vinda de outra mãe que interessa...

Lindo, Eduardo!

Obrigada pela visita..
Sigo-te por aqui...

Beijos!

Débora Oliveira disse...

Ainda que fosse! Ainda que trouxessem nas rosas o amor.

Querido, Edu.

Ariane Rodrigues disse...

a rosa dos amores é muito ofertada, pouco cultivada...ainda assim, queremos ganhá-la... Um beijo, Edu! Teu olhar, teus sentimentos sempre dizem muito!

Marina disse...

Eu não queria ganhar uma rosa, mas adorei o poema. Bjss!