terça-feira, 15 de março de 2011

Noturno

Se te entregas inteira
eu fecho os olhos, medroso.
E se o sonho em que te amo
for apenas
o sonho em que te amo?

8 comentários:

cduxa disse...

A ambivalencia do indeciso.

Carlota Pires Dacosta disse...

Por vezes o medo é esse. E se somos só nós a amar???

Leila disse...

Então te entregas também a esse sonho! Sem medo!

Armazém disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ElizaBarroso disse...

Seria uma pena. Se não te entregas a um sonho, como se entregar a alguém?

(Quanto tempo não visito teus blogs ... Inté mais!)

Andrea de Godoy Neto disse...

gostei desse poema, Edu! Fiquei pensando que é tão mais frequente do que imaginamos o medo diante do sonho que parece se realizar.

um abraço pra ti

Alice disse...

Quero sonhar sempre então.

:*

Emoções disse...

Da boca dos poetas mais amadores saem as palavras mais belas e puras,mesmo que poucas e curtas são palavras que gritam de um coraçã que ainda tem esperança.